terça-feira, 28 de maio de 2024

Cinco vezes que as marcas acharam que tinham uma boa ideia nas mãos

Motor que bebe muito, câmbio que não funciona direito, carro que chegou com tecnologia atrasada. Listamos as "boas ideias" da indústria automotiva

Existem projetos na indústria automobilística que levam o comprador a se perguntar: quem disse que isso seria uma boa ideia? E não é apenas palpite, listamos abaixo cinco destas ideias que chegaram com pompa e acabaram virando um mico no mercado:

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

5 – Ford Ecosport Supercharger

O Ecosport foi um projeto bem sucedido da Ford no Brasil. Mas junto com as versões “normais” surgiu uma dessas “boas ideias”: o motor 1.0 supercharger, que chegou a equipar também o Fiesta.

Ecosport recebeu motor 1.0 supercharger no lançamento (foto: Arquivo/ divulgação/Ford)

O supercharger é um dispositivo acoplado ao motor de forma semelhante ao turbo. Só que o supercharger funciona como uma espécie de compressor de ar que é alimentado por uma corrente ligada ao motor, enquanto o turbo é alimentado pelo movimento dos gases descartados pelo motor.

Resultado final: o Ecosport 1.0 supercharger era mais lento que o motor 1.6 comum e gastava muito mais. Foi para as profundezas.



4 – Fiat com câmbio Dualogic

Marcas como Fiat e Chevrolet passaram os anos 2000 quebrando a cabeça para oferecer um câmbio automático de baixo custo. Chegaram ao câmbio automatizado, que é uma caixa convencional que passa marchas sozinha. Ele não tem o mesmo sistema e não pode ser considerada um câmbio automático.

A Fiat insistiu muito em sua ideia do câmbio “Dualogic”, que foi aposentado pouco tempo atrás já no Argo e no Cronos. O câmbio não é ruim a ponto de ser um problema, mas causa desconforto principalmente pelos trancos na troca de marcha.

3 – Effa M100

A China produz milhares de modelos de carros. Acharam que seria uma boa ideia trazer de lá o “Changhe Ideal” para ser o carro mais barato Brasil. O carro recebeu aqui o nome de M100 e até serve para rodar na cidade, em baixa velocidade. Mas na rodovia passa a ser um perigo e isso foi evidenciado por um teste feito pela Revista Quatro Rodas em 2009.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -
Effa M100 (foto: reprodução/ Chinacars forum)

O carro não ofereceu condições de segurança e pela primeira vez na história a revista decidiu encerrar o teste antes da conclusão.

2 – Mercedes-Benz Classe A

O Classe A inaugurou a fábrica da Mercedes em Juiz de Fora, que tinha capacidade para produzir 70 mil veículos por ano.

Mercedes-Benz Classe A foi fabricado em Juiz de Fora por seis anos (foto: Reprodução/ WheelsAge)

Alguns chamam o Classe A de “falso Mercedes”. A marca queria ter um produto popular e agregar valor a ele pelo nome forte da marca. Foi a “boa ideia” que não deu certo. O modelo tinha cara de carro popular e preço de manutenção de Mercedes e isso definitivamente não era uma boa ideia. Em seis anos foram montados 63 mil Classe A.

1 – Ford com câmbio Powershift

O câmbio Powershift já é famoso na internet e nas mecânicas. Basta um Google rápido para descobrir tudo o que ele não faz. Assim como o supercharger, que já falamos acima, ele chegou no Ecosport como um câmbio automático moderno. Mas com o tempo esquentava, trepidava, engasgava.

câmbio powershift
Câmbio tenebroso powershift (foto: divulgação/ Ford)

Foi aposentado pela Ford, mas até hoje tem comprador brigando com esse câmbio por aí.

Publicada originalmente em

- PUBLICIDADE -

destaques

comentários

Subscribe
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários