domingo, 21 de abril de 2024

Nova Ranger, Maverick e F150. Veja como ficará a linha de picapes da Ford

Montadora norte-americana pretende padronizar sua linha de picapes pelo mundo. O resultado é que o Brasil receberá F150 e Maverick em breve.

A nova estratégia mundial da Ford é unificar a sua vitrine de produtos e ficar longe de modelos mais “populares”, como foram Ecosport e Ka no Brasil. O ponto bom dessa mudança de rumos é que teremos a nova linha de picapes da empresa nas concessionárias brasileiras. A nova Ranger já foi lançada nesta quarta-feira (24), mas deve chegar ao Brasil só ano que vem.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

A linha brasileira da Ford sempre foi diferente do que era oferecido nos países vizinhos. Enquanto a empresa focava nos carros nacionais por aqui, em países como Chile, Colômbia e Peru vendia modelos já importados do México e Estados Unidos. Mesmo quando fechou suas fábricas no Brasil, a Ford passou a oferecer uma linha incompleta em relação à esses países e comparamos isso em abril deste ano. Veja como ficará a linha de picapes da Ford até 2023 no Brasil:

Nova Ranger

Ford Ranger
Nova Ranger, lançada em novembro de 2021, será produzida na Argentina no ano que vem (foto: Ford)

A Nova Ranger foi apresentada ao mundo nesta quarta-feira (24/11) e chegará primeiro na Austrália e na Europa. Por esses locais a Ranger terá um motor 3.0 V6 turbodiesel. Essa Ranger deverá chegar ao Brasil só no final do ano que vem ou até no início de 2023, a depender da situação da cadeia de fornecedores até lá. A Ranger que chega no Brasil é e continuará sendo produzida na Argentina.

O novo carro traz elementos muito parecidos com a F150, a começar pelo farol que traz elementos em LED. A picape deverá conservar o motor turbodiesel e oferecer também opção híbrida futuramente. O ponto interessante é que a Ranger será a base da Volkswagen Amarok, que será produzida em 2023 em uma parceria com a Ford.

A Ford divulgou um vídeo dos testes no deserto e até no gelo com o novo veículos, veja:

Maverick

A Maverick ostenta nome de carro esportivo, mas é uma picape do porte da Fiat Toro e é produzida no México. Chegará só no início do ano que vem, evidenciando que a América Latina continua não ser o topo das prioridades da montadora. Teremos carros globais da Ford, ao preço de recebê-los com atraso e não produzirmos mais nada aqui.

Leia também:
Destacamos como é a nova Ford Maverick

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -
Ford Maverick
Ford Maverick estreia em breve no Brasil para concorrer com a Fiat Toro

A Maverick chegará ao Brasil em sua versão 4×4 com motor à gasolina e câmbio automático de oito velocidades. Os freios dianteiros são com discos ventilados e os traseiros têm discos sólidos. A suspensão frontal é do tipo McPherson e a suspensão traseira é independente (multilink), com braços de alumínio. As rodas têm aro 17.

O preço ainda não foi divulgado, mas apesar de ser uma aspirante à concorrente da Fiat Toro, que parte de R$ 130 mil, a Maverick não deve chegar por menos de R$ 200 mil.

F150

Ford F150
Picape F150 comercializada nos Estados Unidos (foto: Ford)

Já a F150 chega um pouco depois da Maverick. A picape grande da Ford já é vendida nos Estados e será importada de lá. Segundo a Revista Quatro Rodas, a picape chegará por aqui nos modelos mais caros, com motor 3.5 V6 biturbo que desempenha 400cv e 70,5 kgfm. A Ford pode ainda trazer a versão híbrida, mas isso vai depender das vendas iniciais.

Ford F150
F150 comercializada nos Estados Unidos (foto: Ford)

Mirando a concorrência

A estratégia da Ford para o Brasil não é nada original. A Maverick é um projeto que pretende abocanhar um mercado descoberto pela Fiat, com a Toro. Já a nova Ranger busca recuperar um mercado cada vez mais competitivo e que a Ford já reinou por anos junto com a Chevrolet. Com a Ranger ela busca novo fôlego nesse mercado e desbancar a Toyota Hilux.

Por fim a F150 é o cartão de visitas da Ford em vários mercados, principalmente no norte-americano. Não há como dizer que a F150 é um produto que veio na esteira de algo da concorrência, mas a estratégia de trazê-la ao Brasil tem sim a influência da concorrência: a Ford viu o sucesso que a RAM teve ao vender a RAM 1500 por aqui. Vendeu 100 unidades em 18 horas. E estamos falando do mesmo país que tem milhões passando fome.

Notícias relacionadas

- PUBLICIDADE -

nossos destaques

comentários

1 comentário

Subscribe
Notificação de
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
- PUBLICIDADE -spot_img