quinta-feira, 13 de junho de 2024
Fiat
Fastback Audace

Vale a pena comprar o Fiat Fastback Audace? Veja nosso rolê pela Bahia

O motor 1.0 turbo é bom e o carro tem bom desempenho. O Fastback tem um visual contraditório: uns adoram e outros acham o veículo esquisito. Fato é que ele é uma adaptação do projeto do Argo. A versão Audace, foco deste texto, poderia entregar mais pelo preço que é pedido.
Conforto
Desempenho
Consumo
Segurança
Preço
Design
Revenda
Manutenção

Vale a pena comprar o Fiat Fastback Audace? Veja nosso rolê pela Bahia

A versão intermediária do Fastback vai bem com motor 1.0 turbo e tem o pacote de assistência ao motorista, mas peca com alguns itens que não combinam com o valor elevado do SUV coupé

Fiquei por quase duas semanas com o Fiat Fastback em viagem pelo litoral da Bahia. De Ilhéus para Barra Grande e Itacaré, o SUV Coupé da Fiat foi bem, passando por longos trechos de terra e areia. Nesse texto falarei da versão intermediária, a Audace, que poderia ser melhor pelo que a montadora cobra.

Fiat Fastback Audace em área próximo à praia de Barra Grande, no interior da Bahia (foto: Renato Fonseca/Turboway)

Tarde de terça-feira, 28 de novembro, o sol é implacável em Ilhéus. Após o pouso no aeroporto, vou de Fastback para um trecho de cerca de 3 horas em direção à Itacaré. O destino final é a vila de Barra Grande. O ar-condicionado do veículo é bom, uma das qualidades que a Fiat agregou da Jeep quando a comprou. O acabamento do carro, no entanto, deve um pouco para os veículos da Jeep. São mais simples, embora Fastback e Renegade estejam na mesma faixa de preço.

O Fastback vai bem na estrada? Vai sim. Certa vez li em uma comunidade no Facebook que a Fiat colocou um motorzinho em um carro grande e pesado. Isso não é verdade. O motor 1.0 turbo da Fiat é um dos grandes acertos recentes da marca. Nós já avaliamos ele no Pulse. No Fastback, que é um pouco maior, o motor vai bem também. Na estrada puxa bem, não fica devendo para outros veículos desta mesma categoria.

Fiat Fastback Audace tem acabamento em tecido no painel, mas traz elementos simples como a central multimídia e o painel analógico (foto: Renato Fonseca/ Turboway)

Cerca de uma hora desta viagem pela BR-030 é de terra até Barra Grande. Apesar disso a estrada é boa e não oferece dificuldades para o Fastback. Aliás, qualquer veículo mais alto vai bem ali. O maior desafio é a poeira e alguns “Mad Max” pelo caminho (foto abaixo), principalmente quando na direção contrária. Porém a poeira é um preço baixo a se pagar. Quando o asfalto chegar ali, estaremos diante de um destino mais badalado, o que nem sempre é positivo.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -
Na estrada para Barra Grande é comum encontrar alguns “Mad Max” como esse (foto: Renato Fonseca/ Turboway)

Destino: Barra Grande

Barra Grande é um desses paraísos do Brasil que você deve conhecer antes que todo mundo descubra. É uma vila com infraestrutura bem precária, mas com praias maravilhosas. Existem inúmeras pousadas em locais a beira mar, alguns bons restaurantes e só tem grande movimento na segunda quinzena de dezembro e início de janeiro. No restante do ano, é muito tranquila.

Praia praticamente deserta em Barra Grande, nosso destino final (foto: Renato Fonseca/ Turboway)

Só tome cuidado com algumas ruas com areia. É aí que o Fastback sofreu (foto abaixo). Pra sair dessas roubadas, só desviando, pedindo ajuda ou com outro veículo puxando.

Cuidado com o GPS em Barra Grande. Ruas de areia são dadas como alternativas para o tráfego, mas são armadilhas (foto: Renato Fonseca/ Turboway)

Voltando ao carro… Não acho que a versão Audace do Fastback seja uma boa pedida. Digo isso pelo preço e os itens oferecidos. Custa R$ 140 mil e apresenta itens como a central multimídia mais simples com tela de 7″ em uma moldura de 10″ (fica estranho). O que a Fiat fez para diferenciar o veículo da versão mais barata foi colocar uma faixa de tecido no painel, onde na versão simples é toda em plástica.

Salva nesta versão a presença do ADAS, o conjunto de itens de segurança como o assistente de faixa. Porém o painel é analógico com uma telinha digital ao centro, como na versão mais barata. Outra crítica aqui é estética: essa versão traz a roda de 17″, que parece um pouco pequena olhando o veículo de lado. O Fastback praticamente pede a roda de 18″ para “casar” com o visual, que é controverso. Alguns acham o carro desproporcional, a depender da roda isso fica evidente.

O porta-malas tem um espaço muito bom. Outro ponto legal é que o carro tem saída de ar-condicionado para quem viaja no banco de trás, coisa que faz muita falta no Fiat Pulse. O porta-malas também é legal. Nossas duas malas médias ficaram muito bem acomodadas ali. Mas o espaço interno para os passageiros poderia ser melhor (falo sobre isso mais abaixo).

Vale comprar o Fastback Audace zero km?

Apesar de avaliar o Fastback como um bom carro, eu não optaria pela versão Audace pelos motivos que citei acima. A versão tem itens simples pelo preço que pede (existe ainda uma versão mais barata, leia aqui). Vale pontuar que o Fastback é um produto derivado do projeto do Argo, assim como o Pulse. Quem anda no veículo percebe que ele e o Pulse são o mesmo produto, com a diferença do porta-malas maior. Não justifica, na minha opinião, diferenças tão grandes de preços em relação ao “irmão”.

Por saber que se trata de um produto bem acertado, optaria pela versão Impetus, mais completa e com acabamento mais bonito. No entanto essa versão Impetus já passa dos R$ 150 mil (dezembro/23). Essa faixa de preços convida o comprador a dar uma espiadinha na concorrência.

E o Fastback Audace usado?

Usado é outra história e o mercado oferece muitas opções nesta faixa de preços. Existem, por exemplo, versões mais completas do VW Nivus e do Jeep Renegade ou do Jeep Compass como opção. Mas entre qualquer desses com mais rodagem e o um Fastback bem conservado, o Fastback certamente teria minha preferência.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Como já relatei acima, muitas críticas ao 1.0 turbo da Fiat são feitas por pessoas que sequer passaram perto do volante deste carro. A crítica válida e que vale a pena você ver com os próprios olhos é o tamanho interno do carro. Apesar de grande no tamanho por fora, o Fastback (em todas as versões) sofre com o espaço interno. Isso talvez seja (para você) o ponto de desempate entre ele e os seus concorrentes.

O que você precisa saber ao analisar a compra de um Fiat Fastback:

Prós

  • A manutenção da Fiat (peças e mão de obra) costumam ser mais baratas que os concorrentes;
  • O motor 1.0 turbo é ótimo e tem bom custo-benefício para rodar;
  • O carro caiu no gosto dos brasileiros. Não terá problema de revenda;

Contras

  • Existem concorrentes na mesma faixa de preço que podem entregar mais. (versões mais completas de Renegade/ Pulse/ Nivus/ Duster/ Tracker são exemplos);
  • Faltam acessórios opcionais no Fastback que cairiam muito bem para um veículo nesse preço: teto solar é um grande exemplo;
  • A versão Audace é cara e ainda assim traz itens que poderiam ser melhores, como a central multimídia. Nesta versão ela tem 7 polegadas, embora a moldura seja a mesma da versão de 10 polegadas. Esteticamente ficou estranho.
- PUBLICIDADE -

Comentários dos visitantes

Subscribe
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Veja outros reviews

- PUBLICIDADE -

Outros Reviews

Últimas no Turboway

O motor 1.0 turbo é bom e o carro tem bom desempenho. O Fastback tem um visual contraditório: uns adoram e outros acham o veículo esquisito. Fato é que ele é uma adaptação do projeto do Argo. A versão Audace, foco deste texto, poderia entregar mais pelo preço que é pedido.Vale a pena comprar o Fiat Fastback Audace? Veja nosso rolê pela Bahia