sexta-feira, 17 de maio de 2024
Chevrolet
Tracker

Tracker Premier é um bom carro? Rodamos de Alagoas à Sergipe com o SUV

A versão Premier 1.2 tem ótimo acabamento e o teto solar é um bom diferencial em relação ao 1.0. O motor tem desempenho semelhante aos concorrentes, mas peca pelo consumo.
Conforto
Desempenho
Consumo
Segurança
Preço
Design
Revenda
Manutenção

Tracker Premier é um bom carro? Rodamos de Alagoas à Sergipe com o SUV

Testamos a versão Premier 1.2 turbo, que conta com teto solar e acabamento superior ao das outras versões.

Carro desta avaliação:
Tracker Premier (1.2 turbo) – 2022

Turboway rodou entre Maceió (AL) e Aracaju (SE) no início de junho a bordo de um Chevrolet Tracker Premier 1.2 turbo automático, o topo de linha da Tracker.

Aqui no Turboway você já acompanhou a avaliação do concorrente direto Volkswagen T-Cross 1.4, que rodamos pelo Maranhão. Concluímos que apesar do motor forte, a versão 1.0 entregava praticamente a mesma coisa por R$ 10 mil a menos. E será que também é assim com o Tracker?

De cara já dá pra dizer que a versão Premier do SUV tem um acabamento muito bacana, que a diferencia das versões mais simples do veículo.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

A versão Premier é a única que conta com o motor 1.2 turbo, que rende 133cv, as demais recebem o motor 1.0 turbo que também equipa o Onix. Porém existe também uma versão Premier com motor 1.0 turbo.

Anda bem

Sobre o motor, o que podemos afirmar é que ele desenvolve muito bem. O carro é forte, o carro é forte, muito bom para dirigir, mas peca no consumo.

Chevrolet Tracker que Turboway rodou por Alagoas e Sergipe (foto: Emerson Ferraz/ Turboway)

Nosso consumo médio foi de 9 km/l no etanol em trecho majoritariamente de rodovia. É mais econômico que o VW T-Cross 1.4 que andamos, mas fica aquém do que os motores 1.0 turbo entregam. Se a sua atenção ao comprar um carro é guiada principalmente pelo consumo, já vá para a versão 1.0.

Acabamento e espaço interno do veículo são o ponto alto. Apesar de ainda lembrar o interior do Onix no desenho e também no material de construção do console central, os detalhes do acabamento, com couro sintético, apresentam uma enorme evolução em relação aos Chevrolets anteriores. É também melhor do que os concorrentes atuais entregam: Volkswagen T-Cross e Renault Captur.

Itens de série

Outro ponto bem interessante é o teto solar, disponível só nesta versão, que cobre uma área que vai dos ocupantes da frente até pouco mais da metade do teto do veículo.

Além do teto solar, o Tracker Premier 1.2 tem alerta de colisão frontal, faróis em LED, frenagem automática de emergência, indicador de distância do veículo da frente, detalhes cromados, rodas liga-leve, ar-condicionado digital, carregador wireless.

Tem também sistema de estacionamento automático, sensor de chuva, sensores de estacionamento dianteiros, laterais e traseiros. Com exceção do teto solar, a versão 1.0 Premier possui todos os outros itens. São cerca de R$ 8 mil de diferença de uma versão para outra.

Chevrolet Tracker que Turboway rodou por Alagoas e Sergipe (foto: Emerson Ferraz/ Turboway)

Outro ponto de destaque da linha Chevrolet é a conectividade. A central Mylink de 8″ tem recursos Android Auto e Apple CarPlay sem fio. E o carro conta com a possibilidade de ter conectividade da própria central, coisa ainda indisponível na concorrência.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -
Chevrolet Tracker que Turboway rodou por Alagoas e Sergipe (foto: Emerson Ferraz/ Turboway)

Segurança

Na questão segurança, o Tracker tem seis airbags e traz itens de auxílio ao motorista, como indicador de veículo à frente e frenagem automática.

Sabemos que o carro passou por avaliação de segurança do Latin Ncap recentemente, mas um problema grave no projeto do carro adiou a divulgação do resultado.

Foi descoberto que uma falha no cinto de segurança pode causar incêndio no veículo e a Chevrolet chamou os proprietários de Tracker para um recall. Os veículos vendidos após o mês de abril já passaram por correção em relação a isso.

Como o carro possui itens de segurança que ainda estão ausentes em muitos veículos nacionais, vamos dar nota 4 em segurança na avaliação. Após a divulgação dos resultados do teste LatinNcap podemos alterar essa avaliação.

Conclusões

Para ter um Tracker Premier 1.2 é preciso desembolsar pelo menos R$ 154 mil (junho/22). É o preço semelhante dos concorrentes. O Renault Captur (1.3 turbo) sai por R$ 156 mil e o Volkswagen T-Cross (1.4 turbo) sai por R$ 159 mil.

A avaliação é que o Tracker é um carro com melhor acabamento que seus concorrentes. O motor é bom, mas nada de grande destaque, já que na concorrência o 1.4 da VW entrega 150cv. O 1.0 turbo que equipa o Fiat Pulse entrega os mesmos 130cv do Tracker.

O teto solar é um bom diferencial para justificar os R$ 8 mil a mais, porém se você conseguir resistir a essa tentação, lembre-se do preço da gasolina e dê uma chance ao 1.0.

- PUBLICIDADE -

Comentários dos visitantes

Subscribe
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Veja outros reviews

- PUBLICIDADE -

Outros Reviews

Últimas no Turboway

A versão Premier 1.2 tem ótimo acabamento e o teto solar é um bom diferencial em relação ao 1.0. O motor tem desempenho semelhante aos concorrentes, mas peca pelo consumo.Tracker Premier é um bom carro? Rodamos de Alagoas à Sergipe com o SUV